terça-feira, 19 de outubro de 2010

In love por Chico






Em poucas palavras ele muito me entende. Ele sente. E como sente...
Suas revoltas, a intensidade do seu amor, da sua falta de tolerância muitas vezes com as coisas da vida e do coração, do contraste nas emoções, enfim, Chico se faz ainda assim consciente, sereno e feliz por completo.

Cada verso dito por ele tem cheiro, tem força, tem ação. Suas palavras me envolvem e também a todos que com o mínimo de sensibilidade se dedicam a ouvi-lo. A profundidade de onde se consegue chegar é admirável.

Suas músicas são acolhedoras, familiares. Seu jeito de compor pensamentos se faz particular e tão íntimo ao mesmo tempo em que o faz questão de dividir com o mundo. E tudo isso... para definir o amor. O amor que dói, o amor que se perde, o amor que se deseja... o amor que se vive, o amor que sobrevive.

Minhas dores do coração ainda se contam, mas não se pesam. Elas não somam os dedos de uma única mão, mas intensificam uma vida inteira. E hoje respiro aliviada. Os ciclos foram encerrados, cada um com seu devido cuidado e respeito, da minha parte é claro e como sempre.

Mas um novo se abre. Cheio de cor, de vida, intenso e puro. E ainda que dure segundos, ele se fará valer à pena. Busco nesse blog expor ou desabafar como bem quiser, um pedacinho do que o Chico me ensina em cada música, em cada leitura... que Basta um dia... não mais que um dia... Para assim fazer da vida a maior benção que Deus nos dá em cada amanhecer. E de joelhos a cada dia agradecer pelas lutas, pelas conquistas e por que não pelas dificuldades... sim, por elas também. Pelo passado e por todo nosso presente.


Aprendi que a essência do amor não foi extraída para doer. Pois o amor é mais do que um bem querer. E por instantes ou por uma eternidade ainda que descompassada, quando me permito claro, posso experimentar sem limite de doses uma espécie de alegria, tendo a sensação de respirar mais ar do que preciso.


Falo com o coração cheio de amor e felicidade.
Não mais com ressentimentos, nem lamentos.




"Pra mim, Basta um dia.
Não mais que um dia, Um meio dia.
Me dá Só um dia... E eu faço desatar A minha fantasia.
Só um Belo dia.
Pois se jura, se esconjura, Se ama e se tortura.
Se tritura, se atura e se cura A dor, Na orgia Da luz do dia.
É só O que eu pedia... Um dia pra aplacar Minha agonia...
Toda a sangria, Todo o veneno De um pequeno dia." 



Chico Buarque de Holanda

4 comentários:

  1. CHICO BUARQUE ...OUÇO CHICO HA MUITO TEMPO TENHO UM CHICO QUE AMA O CHICO QUE TEM A DISCOGRAFIA DO CHICO EM VINIL E QUE TOCA O CHICO E O CHICO NOS TOCA...ADORO TODAS QUASE QUE TODAS PASSANDO PELAS VITRINES ...PELAS TABELAS PELAS RODA DA VIDA...PELAS CONTRUÇÕES E GURIS...ENTRE AS GENIS DO MUNDO...JOÃOS E MARIAS..APESAR DEVC ESTAR ENTRE LAGRIMAS PENSE QUE VAI PASSAR E TODAS AS GLORIAS DO MUNDO SERÃO FELCIDADES ETERNAMENTE FELICIDADES RODEADAS DE MUITO AMOR ..VAI PASSAR..
    BJHS
    OTILIA

    ResponderExcluir
  2. Chico é chico..sempre CHico

    Por favor
    Deixe em paz meu coração
    Que ele é um pote até aqui de mágoa
    E qualquer desatenção, faça não
    Pode ser a gota d'água

    é minha preferida


    Beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  3. VAMO POR TEXTO GENTEMMMMM KKK DEMORO KK

    ResponderExcluir
  4. Olá Kel,

    Tem uma letra do Chico, em parceria com o Vinicius de Moraes, que adoro, mais que qualquer outra. Me desculpe já chegar comentando deste tamanho, mas é uma letra tão linda (como todas as dele), que não dá pra não comentar e não colocar inteira:
    Um dia, ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
    Olhou-a de um jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
    E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
    E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto, convidou-a pra rodar
    E então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
    Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
    Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
    E cheios de ternura e graça, foram para a praça e começaram a se abraçar
    E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
    E foi tanta felicidade que toda cidade se iluminou
    E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
    Que o mundo compreendeu
    E o dia amanheceu
    Em paz

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir