quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

" "





Quando o próprio amor vacila

"Eu sei que atrás desse universo de aparências, das diferenças todas, a esperança é preservada.
Nas xícaras sujas de ontem o café de cada manhã é servido. Mas existe uma palavra que não suporto ouvir e dela não me conformo.

Eu acredito em tudo, mas eu quero você agora! 
Eu te amo pelas tuas faltas, pelo teu corpo marcado, pelas tuas cicatrizes, pelas tuas loucuras todas, minha vida.

Eu amo as tuas mãos, mesmo que por causa delas eu não saiba o que fazer das minhas.
Amo o teu jogo triste, as tuas roupas sujas é aqui em casa que eu lavo.
Eu amo a tua alegria mesmo fora de si, eu te amo pela tua essência, até pelo que você podia ter sido, se a maré das circunstâncias não tivesse te rebanhado nas águas do equívoco.

Eu te amo nas horas infernais e na vida sem tempo, quando sozinha bordo mais uma toalha de fim de semana.
Eu te amo pelas crianças e futuras rugas.
Te amo pelas tuas ilusões perdidas e pelos teus sonhos inúteis...
Amo o teu sistema de vida e morte. Eu te amo pelo que se repete e que nunca é igual. Eu te amo pelas tuas entradas, saídas e bandeiras e te amo desde os teus pés até o que te escapa.

Eu te amo de alma pra alma e mais que as palavras, ainda que seja através delas que eu me defendo quando digo que te amo mais que o silêncio dos momentos difíceis, quando o próprio amor vacila."


*Texto digno. Infelizmente, desconheço o autor.
http://www.youtube.com/watch?v=A0gD241Xm-I

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Tropa de Elite 2








Segue desabafo de uma amiga depois de assistir ao Tropa de Elite 2: 
Faça Valer a pena!!! 


VAMOS SER AS NOVAS TROPAS NAS RUAS?
CONVITE A TODO CIDADÃO BRASILEIRO

Assisti ao filme Tropa de Elite 02 esta semana e estou extasiada. Penso que é esta a palavra. Amo cinema e o “Tropa” é genial. Vou levar tantos quanto eu puder a vê-lo, ou induzir a assisti-lo. Permeei por todos os sentimentos enquanto o assistia: indignação, revolta e até mesmo alegria por ter somente 27 anos e poder, quem sabe de alguma forma, transmitir à minha filha e quem mais se dispuser a me ouvir, que acredito no meu País, embora muitas vezes eu me envergonhe dele! Mas quem de nós nunca teve vergonha de si mesmo, não é?!
Percorri durante os 118 minutos do filme por pelo menos 10 anos de história deste País, vendo-o retratado em cada frame. Revi a morte do jornalista Tim Lopes, do prefeito Celso Daniel morto em “suposta” queima de arquivo e o menino João Hélio que aos seis anos foi arrastado pelas ruas do Rio de Janeiro... Ficamos chocados, não?!
Entretanto, meu horror foi ainda maior, quando realmente entendi vendo no plenário, no depoimento do Coronel Nascimento (cena do filme), as mães com faixas dos filhos mortos pelas barbáries diárias ocorridas nas ruas do Rio de Janeiro, e que ainda acontecem até nos confins do Judas. Inúmeros casos de policiais envolvidos no crime organizado e recebendo propinas. Deputados, prefeitos e dirigentes políticos que se mostram indignados vivendo verdadeiras cenas de tragédia shakespeareanas, quando envolvidos em escândalos, que são o combustível das CPI´s, onde dão depoimentos inflamados nos plenários, como o Deputado Guaraci, personagem do filme e caricatura de muitos desses candidatos, CPI`s essas que muitas vezes servem mais de palco para promover os que naquele momento são opostos aos acusados. Os mensalões, “pizzadas” no planalto e muito mais de todo esse lixo embaixo do tapete dos Três Poderes do Brasil. Deve ser para isso, o tapete do planalto! Acredito que em breve devam contratar uma empresa para lavá-lo.
 Eu poderia me enveredar por muitos caminhos e relembrar muito mais da triste realidade do nosso Brasil, mas minha intenção não é a de “chover no molhado”. Sabemos de tudo isso, pois nos veículos de massa não se fala em outra coisa. O que pretendo é fazer com que as pessoas assistam ao filme e percebam a teia que a grande Viúva Negra chamada POLITICAGEM vem tecendo neste País. Nós sabemos que a corrupção está aí, e nem nos indignamos mais. Acontece que muitos de nós, cidadãos, acreditam que os grandes problemas sejam o tráfico, a violência, a marginalidade, enquanto que um na verdade não existe sem o outro, e ambos se alimentam e vivem como parasitas, enquanto nós os sustentamos.
Somos nós os doentes nas filas do SUS, morrendo nas portas dos hospitais. Somos nós que não temos escolas boas e seguras para nossos filhos, somos nós que vemos nossos filhos serem vítimas de balas perdidas, que vemos o nosso querido filho ser atropelado em um racha, como o filho da atriz Cissa Guimarães e descobrir que os policiais que deveriam ter prestado socorro a ele, foram pedir propina para livrar a cara dos playboys que o atropelaram. Mas culpar somente os policiais é fácil, culpar o País é fácil, culpar o sistema é fácil, enquanto continuamos vivendo nas favelas onde o lixo é jogado a céu aberto, junto com o xixi e as fezes. Permanecemos analfabetos e todo o resto que já estamos cansados de saber. Ficamos indignados e só, isso, estáticos. Não temos coragem de botar a boca no trombone.
Na noite de 04 de dezembro, enquanto assistia ao Tropa 02, um filme em paralelo passou por minha cabeça. O meu processador começou a funcionar, e foi baixando da minha memória todo o lixo bombardeado dia após dia na minha mente, o que na maioria das vezes prefiro, simplesmente, mandar para a lixeira, dos telejornais e leituras da mídia impressa. Notícia e mais notícia que se repete tragédia+caos+morte. Um grande quadro da realidade nua e crua se constrói em minha frente e me vejo em Doriam Gray, ao se dar a facada, no quadro, o seu verdadeiro “eu” começa a aparecer, decompondo-se e apodrecendo instantaneamente.
Meu nome é Loraine Passaglio, tenho 27 anos, sou Turismóloga e pós-graduada. Gerencio um hotel no interior de Rondônia, tenho 33 funcionários sob minha orientação todos os dias. Sou mãe. Portanto, posso me considerar formadora de opinião. Prometo a partir de hoje, não mais ficar sentada em meu sofá, na cadeira do meu escritório e nem vou só me preocupar com meu cansaço depois de um dia de trabalho. Vou abrir a boca para falar do que realmente importa, nunca mais vou dizer que odeio política, porque eu sou cidadã brasileira, amo o meu País e não vou mais acreditar em Papai Noel, um senhorzinho barbado, sorridente que diz: “Ho Ho Ho, nunca antes na história deste País”... Porque eu sei que posso fazer alguma coisa, assim como o que acabo de desabafar aqui.  
 
Loraine Caroline de Souza Passaglio
Ji-Paraná 06 de dezembro de 2010

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Por respostas...

 

Ainda que não queira, aguardo por elas. Sinto um nó no estômago, na garganta... como se eu quisesse chamar ou te encontrar. Até minha resistência baixou nesses últimos dias e um mal estar foi a desculpa que meu corpo encontrou para se deixar cair e fragilizar.

Antes eu conseguisse gritar, surtar ou despejar essa agonia aqui de dentro. Não guardaria esses desabafos por tanto e tanto tempo. Sei que me consomem e muito mais por que sei que não tenho do que reclamar. Me culpo por isso.

Mas está aqui, comigo. Dentro de mim. Pedi tanto, mas tanto... e então Ele me atendeu: Deus tem tomado direção da minha vida. E é muito cedo para dizer que não é bem isso que eu esperava. Mas não importa. O fato é que nesse caminho, eu queria ter virado a esquerda, tomado aquela direção, o retorno próximo... Mas não, esse não foi o lado para onde Ele me dirigiu.

Sinais continuam aparecendo. Indícios de que talvez tudo possa voltar e que Ele apenas esteja me fazendo pegar outro percurso, para que eu possa ver outras cores, outras formas e receba talvez não da maneira mais simples, mas sim da mais adequada para ser concreto.

Talvez a ausência de palavras nesse momento ou a falta de presença seja a resposta e esse silêncio a comprovação. Ou não! Nem sei mais o que pensar. Mas sei o que quero... e é só ser feliz!

Pedi por mudanças e radicais, não pedi?! Pois então. E sei que precisamos ter cautela com o que pedir para Deus. Por que Ele é realmente justo e fiel em fazer acontecer.

E que assim seja!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Mudar é preciso!



Já disse aqui o quanto minha vida deu voltas em pouco mais de um ano. E hoje no mesmo lugar em que eu estava decido descer deste confortável meio de transporte e andar com meus próprios pés. Atenta em cada esquina, em cada semáforo, em cada travessia ou passagem preferencial.
Confesso sobre a dificuldade de pensar em "Recomeçar"...  mas faço questão de olhar para trás e trazer comigo todo o aprendizado e experiência para me servir de força, a qual  possivelmente posso precisar.
Eu as trago com carinho, com saudades e com muito orgulho. Se preciso, pago ainda por seu excesso, sem deixar nada para trás, pois tudo que um dia me pertenceu, estará juntinho onde quer que eu esteja, sejam as amizades ou os caprichos.  
Ainda que insegura por novos olhares e formas, o medo não me pertence, nem mesmo a dúvida. Afinal, é chegada a hora e papai do céu está comigo (sempre). Confio que seu propósito será cumprido e peço apenas sabedoria para tomar as decisões corretas. Aquele velho e sábio ditado “o que tiver que ser será” apesar de cômodo é fiel e que assim seja!
Não acho que seja necessária uma despedida. Eu só vou ali. Estarei logo ali, pertinho. E mesmo que eu vire a esquina e não me vejam, sentirão o meu coração e saberão dos meus feitos. Mas se vocês se perderem de mim, busque no guia ou chamem a Filó do GPS. Assim quando eu ouvir a mensagem “sinal de GPS muito fraco, retorne, retorne”... I’ll be back... e de peito aberto para te ouvir e te dar colo.   
Descobri que meus mais fieis amigos não foram feitos em uma vida no contar de dias ou anos. Eles se dedicaram a intensidade dos momentos mais difíceis que passei e demonstraram toda cumplicidade possível e impossível.
Tenho pensado direitinho para não esquecer de absolutamente nada. Faço as malas atenta para justamente não errar nas escolhas do que deixar ou levar. Ai ai ai... e é muito bom poder fechá-las tendo a certeza de que o que levo é o melhor de todos para onde quiser, aqui dentro de mim...



"Can you meet me halfway, right at the boarderline
That's where I'm gonna wait for you
I'll be lookin out, night and day
Took my heart to the limit, and this is where I'll stay
I can't go any further than this, ooooh
I want you so bad it's my only wish" - Meet me halfway

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Cheirinho das lembranças...



A saudade é freqüente em minha vida. Ela acompanha os melhores cheiros das minhas lembranças. E nem sempre é dor... ela pode ser sentida com muita alegria, ainda que carregue a certeza de não mais poder ser “matada”.
Um dos cheiros mais gostosos que sinto dessa saudade é da minha infância. Das histórias que meu avô contava antes de dormir, da clássica música Asa Branca em todo desfecho, sem falar das madrugadas de filmes estilo King Kong, Mazzaropi e até mesmo do Joe Banana... Só clássicos... rs
Ao mesmo tempo, cheiro + saudade = vontade de comer os farelinhos do café da manhã do meu xodó. Saudade de comer bala de coco em ponto de puxa. Vontade de ser criança de novo e aproveitar milhares mais do que um dia eu pude. 
Vontades que vem e não passam...
Vontade de sorvete de perua, de banho de chuva na rua, de truco com os meninos da vila ao entardecer. Saudade de brincar de caminhoneiro com minhas primas, de supermercado na despensa da minha avó, de castelinho de barro no pomar da minha biza.
... E olha que eu nunca quis ser gente grande. Essa vida na verdade nem tem a mesma graça. But...
Sinto cheiro da época dos patins, do meu primeiro beijo na muretinha ao lado do portão. Depois do segundo beijo no último andar da escadaria do prédio... assim como do meu último beijo. Passam os anos e tudo continua igual... Cada lembrança com seu cheiro particular.
Cheiro de cada ansiedade por mais um dia e outro e mais outro.
De um passado ainda recente sinto falta da época de faculdade. Das aulas que eu não matava... De dar bom dia para o Sol nas manhãs de frio intenso e até mesmo dos vizinhos que nem conhecia. Sinto ainda o cheiro de cada pessoinha que guardo no coração por que presente de Deus é assim que se cuida.
Mas a lembrança mais recente é de uma paz que chegou no meu coração. E essa tem nome, tem cheiro e tem cor. Ela vem e vai... e fica. Ela não chega a ser totalmente uma lembrança, por que ela ainda é presente e não quero nunca que vire passado.

Felicidade é para ser vivida e não somente recordada.
 

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O fantástico mundo de Blogs

                           


Essa semana fui surpreendida com esses presentes. Na verdade sou um bebê no mundo dos blogs e nem sabia que se promovia esse tipo de carinho aos seus habitantes. Tenho aprendido a cada dia com esses olhares diferentes.

Vejo o quanto o coração de cada pessoinha é parecido com o meu, ainda que as atitudes tenham suas particularidades. Tem sido um conforto ler tanta sensibilidade...

Ainda estou os conhecendo, aos poucos... mas já me encanto com a ousadia do http://demaipramai.blogspot.com , com o carinho que conversam as palavras do http://pequenosbarulhosinternos.blogspot.com , com a transparência do coração http://decasocomaspalavras.blogspot.com , assim como a sinceridade que é demonstrada pelo http://tangaramerece.blogspot.com ... e pelo bendito é o fruto entre elas  http://fatosempalavras-cl.blogspot.com ... entre muitos outros nesse “mundão”.

E o planeta Blog está em festa por que os Selos de Reconhecimento foram dedicados merecidamente essa semana e modestamente agradeço as duas lembranças da Totila.

O fato é que eu mais aprendo do que ensino aqui e isso faz valer a pena.

“Prêmio Dardos” e “Blog digno de ser lido"

Como eles me explicaram, esses selos representam o reconhecimento aos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc, que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras e suas palavras. Eles foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

É revoltante...





... Saber que muitas pessoas fazem de suas vidas um jogo sem função, sem sabedoria, sem objetivo. É revoltante ver que a vida tem sido encarada com aposta de um jogo sem cuidado, sem carinho, sem respeito. E mais revoltante ainda, ver pessoas se submetendo a serem peças para atuar nesse tabuleiro e defendendo isso como se fosse algo digno de ser aplaudido ou promovido a próxima fase.

Cada um está no lugar onde se coloca... ou se anda para frente ou para trás. Ou recebe em dobro ou se passa a vez. Cada escolha, uma renúncia. E para que? Para ser personagem sem fundamento, vivendo apenas de pretextos??!! Chego a ter tremedeira quando sinto cheiro de dissimulações e hipocrisias sendo vistas por cima do muro, sem olhar para dentro, sem olhar para si.

Mantenha a sua essência, seja original, faça de coração, por que é só o que se admira, é só o que fica. Você não precisa ser mais do que “fulaninho”, basta que esteja disposto a preencher as pessoas com o melhor que existe em você. Deixe saudades, deixe lembranças... mas de tudo que foi bom, puro e agradável. Não queira ser visto como erro ou lembrado como um pedaço de dor na vida dos que estiveram a sua volta. O peso do arrependimento é desconfortante.

Aprenda a ouvir, aliás ouça mais do que fale. Nada precisa ser compartilhado se isso não produzir bondade. Não queira ser um reflexo do que você fala, por que as suas atitudes comprovarão o contrário e não te sustentará.

Faça valer a pena, em tudo.
E que sua presença esbanje lealdade, cumplicidade, carinho, cuidados, respeito... Ainda que surjam situações para te deixar na dúvida de que é preciso rever conceitos. Pois não, não é.

Ninguém erra por acreditar, por amar, por se doar.
Deixe marcas de saudade, de prosperidade, de verdade, de bem querer.


quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Nem mais, nem menos...





Por que em um dia se faz e no outro se desfaz?
Por que brincar com coisas que não se faz a mínima graça.

Gosto de ter o controle das coisas. Gosto de poder fazer acontecer e não esperar que os outros façam. E quando as situações fogem do meu jeito de fazer, sou colocada de castigo a espera de ordens para reeducar a minha ansiedade.

As coisas não precisam ser do meu jeito. Nem seria muito divertido dessa forma.
Mas o que eu peço é que me deixem achar que posso ter a última ação, para que a minha consciência esteja ciente de que tudo está ao meu alcance.

Atitudes tomadas, certezas firmadas... e o que falta?
Até então eu reagia a decisões de terceiros, no meu cantinho, sem imposições, compreensiva mais do que meu próprio amor era capaz de entender... E quando passo a agir, qualquer coisa é pretexto para me fragilizar.

Quero uma paz sem medida. Uma tranqüilidade que siga o mesmo caminho.
Peço sinceridade aguçada... Por que não dá pra ser legal, quando se busca ser sincero. Não tem o meio termo em nossas vidas. Ou é sim sim... ou não não.

Radical? Intolerante? Na na ni na não!  
Apenas cansada de conversas fiadas, desculpas esfarrapadas...
Hoje,
É assim...
Nem mais, nem menos!

Então, olha nos meus olhos e diz.   
Ainda que logo tenha que partir.





"Não contei ainda teus escudos surdos
Sabe que eu te estudo sem me aproximar
O teu santo gringo me mostrou teu mundo
Vi que no escuro tu fica a chorar
Se Shiva me disse pra ter paciência
Te pego no beco do sino da crença
Te assusto com a ira da minha temência" - Maria Gadú

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Censurado!




 :X

Achei melhor ainda deixar guardadinho os suspiros iniciais.
Deixe que os outros falem por mim...

(Realmente é grandinho, mas ele faz toda a diferença.)

É algo como...

 “Eu quero ser possuída por você, pelo seu corpo, pela sua proteção, pelo seu sangue.
Me ama!
Eu quero que você me ame e fique eternamente me amando dentro de mim.
Com sua carne e o seu amor.
Eternamente, infinitamente dentro de mim.
Me envolvendo, me decifrando, me consumindo, me revelando...
Como uma tarde dentro do elevador, no verão, voltando da praia e você me abraçou e eu te abracei...
E quanto mais eu me entregava, mais nascia o meu desejo. 
Mais sobrava só o desejo e mais eu te queria sem palavras, sem pensamentos...
A vida inteira resumida só no desejo da tua boca dizendo o meu nome,
Da tua mão conduzindo a minha mão,
Do teu corpo revelando o meu corpo,
Como se o mundo fosse pela primeira vez...
Você, o meu ponto de referência nessa cidade...”
                                        
                                                                          -José Vicente

Na íntegra:


terça-feira, 19 de outubro de 2010

In love por Chico






Em poucas palavras ele muito me entende. Ele sente. E como sente...
Suas revoltas, a intensidade do seu amor, da sua falta de tolerância muitas vezes com as coisas da vida e do coração, do contraste nas emoções, enfim, Chico se faz ainda assim consciente, sereno e feliz por completo.

Cada verso dito por ele tem cheiro, tem força, tem ação. Suas palavras me envolvem e também a todos que com o mínimo de sensibilidade se dedicam a ouvi-lo. A profundidade de onde se consegue chegar é admirável.

Suas músicas são acolhedoras, familiares. Seu jeito de compor pensamentos se faz particular e tão íntimo ao mesmo tempo em que o faz questão de dividir com o mundo. E tudo isso... para definir o amor. O amor que dói, o amor que se perde, o amor que se deseja... o amor que se vive, o amor que sobrevive.

Minhas dores do coração ainda se contam, mas não se pesam. Elas não somam os dedos de uma única mão, mas intensificam uma vida inteira. E hoje respiro aliviada. Os ciclos foram encerrados, cada um com seu devido cuidado e respeito, da minha parte é claro e como sempre.

Mas um novo se abre. Cheio de cor, de vida, intenso e puro. E ainda que dure segundos, ele se fará valer à pena. Busco nesse blog expor ou desabafar como bem quiser, um pedacinho do que o Chico me ensina em cada música, em cada leitura... que Basta um dia... não mais que um dia... Para assim fazer da vida a maior benção que Deus nos dá em cada amanhecer. E de joelhos a cada dia agradecer pelas lutas, pelas conquistas e por que não pelas dificuldades... sim, por elas também. Pelo passado e por todo nosso presente.


Aprendi que a essência do amor não foi extraída para doer. Pois o amor é mais do que um bem querer. E por instantes ou por uma eternidade ainda que descompassada, quando me permito claro, posso experimentar sem limite de doses uma espécie de alegria, tendo a sensação de respirar mais ar do que preciso.


Falo com o coração cheio de amor e felicidade.
Não mais com ressentimentos, nem lamentos.




"Pra mim, Basta um dia.
Não mais que um dia, Um meio dia.
Me dá Só um dia... E eu faço desatar A minha fantasia.
Só um Belo dia.
Pois se jura, se esconjura, Se ama e se tortura.
Se tritura, se atura e se cura A dor, Na orgia Da luz do dia.
É só O que eu pedia... Um dia pra aplacar Minha agonia...
Toda a sangria, Todo o veneno De um pequeno dia." 



Chico Buarque de Holanda

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Crer sem ver...




Dia a dia lutamos para encontrar respostas em nossas vidas. Em alguns momentos nos pegamos agradecendo a Ele por tamanha graça, mas na maioria das vezes pedindo e pedindo por mais e mais...

É a força que me move, através da fidelidade do Pai, Filho e Espírito Santo. É o meu consolo, a minha esperança. E ainda que muito falha, a minha vontade é de agradá-Lo, de seguir ainda que lentamente seus jeito de amar, seu modo de olhar as coisas, as pessoas e encarar cada adversidade.

E que Amor é esse? Que frente aos nossos mais frágeis atos de pecados, nada O abala?!! Quão pequeno somos e Ele só faz por nos cuidar. Simplesmente por que em seu coração seu único desejo é de termos consciência de que não dependemos do favor de ninguém dessa terra. Mas sim, tão somente do favor e do Amor Dele, Dono dessa terra...  

Orei por muito tempo seguindo as minhas vontades, conforme o que eu pensava ser certo e bom para mim. Por todo este tempo, fui contrariada. Sofri, chorei e aprendi. Aprendi que Deus tem o melhor para nós e que ainda que este melhor não seja o que pede nossos corações, Ele sabe de todas as coisas... do começo, meio e fim.

Desde então, entreguei minha vida em Suas mãos. Pedi para que dela fosse feita toda a sua vontade, pedi para que dela fosse cumprido o seu propósito. Mas é claro que minha ansiedade continua assim como meus sentimentos aos avessos. Entretanto, hoje bem menos apegados ao meu EU, tão somente pela confiança de que o melhor será dado por Ele.

Ainda me pego conversando com Deus, tentando “negociar” meu coração, minha vida. Ele sabe o que se passa aqui dentro, aliás sabe mais do que ninguém, Ele sente. Mas é um caminho que eu não quero de volta. Em todas minhas orações entrego a Ele o comando da minha vida. E isso só tem me trazido paz... Por que “o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem dos lábios do Senhor”. (Pv 16.1)

E que assim seja!
Que eu possa crer mais e mais, ainda que eu não O veja. Pois a “fé é a certeza de coisas que se esperam e a convicção de fatos que não se vêem.” (Hb 11.1)




 
Tudo que eu quiser, o cara lá de cima vai me dar...
Me dar toda coragem que puder...
E não me faltem forças pra lutar...

Michael Sullivan - Lua de Cristal (Xuxa)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Seu nome é saudade!




... a prova de que as lembranças são eternas.
Ela nunca se intimida, nunca se omite, nem se ameniza... ainda que seja equilibrada aos poucos entre um reencontro ou outro. É nela a certeza de que os momentos foram intensos, de que o medo da ausência se faz presente e constante. Que sentimento é esse que nunca chega sereno, nunca em pedaços, sempre aos montes...
Seja a saudade de um cheiro de infância, saudade do que veio em primeiro, saudade que ninguém mede nem se pede. Sentimento involuntário que não exige grandes investimentos nem muito esforço, apenas a marca de uma verdade vivida, sentida e sonhada.
Basta um dia, não mais que um dia... para que sinta ela para sempre, mesmo que em particular. Saudades que nunca mais serão abraçadas, beijadas ou encontradas. Saudade de uma vida, de pessoas, de lugares, de situações... SAUDADE!
Ela vem cheia de força e determinada a nos lembrar de que seus motivos valeram a pena, ou simplesmente para nos apontar caminhos para o seu retorno. Ela vem ao lado da distância. De uma distância de corpos, mas nunca de alma, que ainda assim a faz crescer mais e mais. Ela vem da sensibilidade e não da razão. Ela vem do amor e não da conveniência ou da comodidade. Ela vem da simplicidade de cada ato.

Ela nasce em segundos, horas, dias... meses...
Ela nunca nos deixa. Ela nunca tem fim.





"Debruço-me na sua ausência como se o vazio dotado fosse de ombros largos, cor, calor e pudesse me ouvir ao relento roçar o ponto mais sensível da imensa falta que você faz. "
                                                                                                         (Antonio Carlos Mattos)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

o Tempo...


Tenho tentado aproveitar diariamente o aprendizado proposto pelo tempo e suas experiências. Às vezes mais ansiosa, outras um pouco mais contida (admito). Mas falando especificamente sobre sentimentos, ele se faz dono de toda situação... Já dizia a eterna sabedoria do meu amigo J.C.

(passa tempo)

Engraçado como ontem ele se fazia dono de uma tarde sombria que custava a passar, e hoje, ele é invadido por tamanha alegria fazendo questão de andar em acelerado. Difícil e um tanto quanto complicado de definir, mas o detalhe não se faz por seu tamanho, mas sim por sua intensidade... reflexo de cada ação ou reação.

(tempo passa)

Depois de tufões, tornados, ciclones e toda família “dos Ventos”, como conseqüência, veio a brisa... Hummm e foi essa que me trouxe um cheiro... Único, puro e verdadeiro em sua essência. Um cheiro que me invade com um sorriso que me fortalece.

(mais tempo passa)

Enfim, sem muito blá blá blá... moral da história: É muita pretensão de nossa parte nos dedicar a programações de dias ou meses, quando falamos de coisas do coração. É muita prepotência pensar que temos o poder de cumprir nossos “destinos” controlando esse bendito serzinho que nos comanda.

Portanto, não gere expectativas.
Seja surpreendido!